7 Melhores Amplificadores para Discos de Vinil em 2023

Os discos de vinil são uma forma de arte que resiste ao tempo e encanta os amantes da música com sua qualidade sonora e seu charme retrô. Mas para aproveitar ao máximo essa experiência, é preciso ter um bom amplificador que possa reproduzir fielmente os sons gravados nos sulcos do vinil.

Um amplificador é um aparelho que recebe o sinal elétrico gerado pela agulha do toca-discos e o transforma em som audível, ampliando sua potência e qualidade. Existem diversos tipos e modelos de amplificadores no mercado, cada um com suas características, vantagens e desvantagens.

Neste artigo, vamos te ajudar a escolher o melhor amplificador para discos de vinil, levando em conta fatores como potência, impedância, conexões, recursos extras e custo-benefício. Além disso, vamos apresentar um ranking com os 7 melhores amplificadores para discos de vinil em 2023, com marcas renomadas como Yamaha, Sony, Onkyo e Denon. Confira!

A História dos Amplificadores para Discos de Vinil

Os primeiros discos de vinil surgiram na década de 1940, como uma evolução dos antigos discos de goma-laca, que eram mais frágeis e tinham menor capacidade de armazenamento. Os discos de vinil eram feitos de um material plástico mais resistente e flexível, que permitia gravar mais músicas em cada lado.

Os discos de vinil eram reproduzidos por toca-discos que usavam um sistema mecânico para gerar o som. A agulha do toca-discos seguia os sulcos do disco e vibrava conforme as variações da gravação. Essa vibração era transmitida por um diafragma acoplado a um chifre ou corneta, que amplificava o som naturalmente.

Esse sistema era simples e barato, mas tinha muitas limitações. O som era baixo, distorcido e abafado, sem fidelidade aos detalhes da gravação original. Além disso, a agulha exercia uma grande pressão sobre o disco, causando desgaste e ruído.

A solução para esses problemas veio com o desenvolvimento dos amplificadores eletrônicos, que usavam válvulas ou transistores para aumentar a potência e a qualidade do sinal elétrico gerado pela agulha. Os amplificadores eletrônicos permitiam ajustar o volume, o tom e o balanço do som, além de oferecer uma maior fidelidade sonora.

Os amplificadores eletrônicos também possibilitaram a criação dos sistemas estéreo, que usavam dois canais de som separados para criar uma sensação de profundidade e espaço sonoro. Os discos de vinil estéreo começaram a ser produzidos na década de 1950, trazendo uma nova dimensão para a música.

Os amplificadores para discos de vinil evoluíram ao longo das décadas, acompanhando as inovações tecnológicas e as tendências musicais. Hoje em dia, existem amplificadores digitais, que convertem o sinal analógico em digital e vice-versa, oferecendo uma maior precisão e clareza sonora.

Os amplificadores modernos também contam com recursos extras, como conexão Bluetooth, entrada USB, rádio FM, controle remoto e equalizador gráfico. Esses recursos permitem integrar os discos de vinil com outras fontes de áudio e personalizar o som conforme o gosto do usuário.

Como Escolher o Melhor Amplificador para Discos de Vinil

Para escolher o melhor amplificador para discos de vinil, é preciso levar em conta alguns fatores importantes, como a potência, a impedância, as conexões, os recursos extras e o custo-benefício. Veja a seguir como analisar cada um desses aspectos e fazer a melhor escolha.

Potência

A potência é a capacidade que o amplificador tem de fornecer energia para as caixas de som. A potência é medida em watts (W) e influencia no volume e na qualidade do som. Quanto maior a potência, maior o volume e menor a distorção.

A potência ideal depende do tamanho e da acústica do ambiente onde o som será reproduzido, bem como da sensibilidade das caixas de som. A sensibilidade é a medida de quão eficientes as caixas de som são em transformar a energia elétrica em som, e é expressa em decibéis (dB).

De modo geral, quanto maior a sensibilidade das caixas de som, menor a potência necessária para alcançar um bom volume. Por exemplo, uma caixa de som com sensibilidade de 90 dB produz um volume de 90 dB com 1 W de potência, enquanto uma caixa de som com sensibilidade de 85 dB produz um volume de 85 dB com 1 W de potência.

Para calcular a potência necessária para o seu sistema de som, você pode usar a seguinte fórmula:

Potência (W) = 10 ^ ((Volume desejado (dB) – Sensibilidade da caixa de som (dB)) / 10)

Por exemplo, se você quer alcançar um volume de 100 dB com uma caixa de som com sensibilidade de 90 dB, você precisa de um amplificador com potência de:

Potência (W) = 10 ^ ((100 – 90) / 10)

Potência (W) = 10 ^ (1)

Potência (W) = 10 W

Ou seja, um amplificador com potência de 10 W seria suficiente para esse caso. Mas se você usar uma caixa de som com sensibilidade de 85 dB, você precisaria de um amplificador com potência de:

Potência (W) = 10 ^ ((100 – 85) / 10)

Potência (W) = 10 ^ (1,5)

Potência (W) = 31,6 W

Ou seja, um amplificador com potência de 31,6 W seria necessário para esse caso.

Vale lembrar que esses valores são apenas estimativas e podem variar conforme as condições do ambiente e as características do amplificador e das caixas de som. Além disso, é recomendável escolher um amplificador com uma potência um pouco maior do que a necessária, para evitar sobrecargas e distorções.

Impedância

A impedância é a resistência que o circuito elétrico oferece à passagem da corrente. A impedância é medida em ohms (\u03A9) e afeta o desempenho e a segurança do sistema de som. Quanto menor a impedância, maior a corrente e maior o risco de danos ao amplificador e às caixas de som.

A impedância ideal depende da compatibilidade entre o amplificador e as caixas de som. O amplificador deve ter uma impedância igual ou maior do que a das caixas de som, para evitar sobreaquecimento e queima. Por exemplo, se as caixas de som têm impedância de 8 \u03A9, o amplificador deve ter impedância de 8 \u03A9 ou mais.

Se você usar mais de uma caixa de som por canal, você deve levar em conta a impedância total do conjunto. A impedância total varia conforme a forma como as caixas de som são ligadas ao amplificador: em série ou em paralelo.

Na ligação em série, as caixas de som são ligadas uma após a outra, formando uma única corrente. Nesse caso, a impedância total é igual à soma das impedâncias individuais das caixas de som. Por exemplo, se você ligar duas caixas de som com impedância de 8 \u03A9 cada em série, a impedância total será:

Impedância total (\u03A9) = Impedância da caixa 1 (\u03A9) + Impedância da caixa 2 (\u03A9)

Impedância total (\u03A9) = 8 \u03A9 + 8 \u03A9

Impedância total (\u03A9) = 16 \u03A9

Na ligação em paralelo, as caixas de som são ligadas ao mesmo tempo ao amplificador,

formando várias correntes paralelas. Nesse caso, a impedância total é igual ao inverso da soma dos inversos das impedâncias individuais das caixas de som. Por exemplo, se você ligar duas caixas de som com impedância de 8 \u03A9 cada em paralelo, a impedância total será:

Impedância total (\u03A9) = 1 / (1 / Impedância da caixa 1 (\u03A9) + 1 / Impedância da caixa 2 (\u03A9))

Impedância total (\u03A9) = 1 / (1 / 8 \u03A9 + 1 / 8 \u03A9)

Impedância total (\u03A9) = 1 / (0,25 \u03A9)

Impedância total (\u03A9) = 4 \u03A9

Como você pode ver, a ligação em paralelo diminui a impedância total, enquanto a ligação em série aumenta. Por isso, é preciso ter cuidado ao escolher a forma de ligação das caixas de som, para não sobrecarregar o amplificador.

Conexões

As conexões são os tipos de entradas e saídas que o amplificador possui para se comunicar com as outras fontes de áudio e com as caixas de som. As conexões podem ser analógicas ou digitais, e cada uma tem suas vantagens e desvantagens.

As conexões analógicas são as mais tradicionais e usam cabos com conectores RCA ou P2 para transmitir o sinal elétrico. As conexões analógicas são compatíveis com a maioria dos toca-discos e das caixas de som, mas podem sofrer interferências e perdas de qualidade durante a transmissão.

As conexões digitais são mais modernas e usam cabos ópticos, coaxiais ou HDMI para transmitir o sinal digital. As conexões digitais oferecem uma maior fidelidade e clareza sonora, mas exigem que o amplificador tenha um conversor digital-analógico (DAC) integrado ou externo para decodificar o sinal.

Além das conexões por cabo, alguns amplificadores também possuem conexões sem fio, como Bluetooth, Wi-Fi ou AirPlay. Essas conexões permitem integrar o amplificador com dispositivos móveis, como smartphones, tablets ou notebooks, e reproduzir músicas de aplicativos de streaming ou de arquivos digitais.

Na hora de escolher o amplificador para discos de vinil, é importante verificar se ele possui as conexões adequadas para o seu sistema de som. O ideal é que o amplificador tenha pelo menos uma entrada analógica dedicada para toca-discos, chamada de entrada phono.

A entrada phono é uma entrada especial que possui um pré-amplificador integrado, que ajusta o nível e a equalização do sinal proveniente do toca-discos. Isso é necessário porque o sinal gerado pelo toca-discos é muito fraco e tem uma curva de frequência diferente da do sinal padrão de linha.

Se o amplificador não tiver uma entrada phono, você precisará usar um pré-amplificador externo entre o toca-discos e o amplificador, para adequar o sinal e evitar perdas de qualidade. Alguns toca-discos já possuem um pré-amplificador embutido, que pode ser ativado ou desativado conforme a necessidade.

Outras conexões que podem ser úteis são as entradas e saídas digitais, que permitem conectar o amplificador a outros aparelhos como TVs, DVDs ou Blu-rays, e as conexões sem fio, que permitem expandir as possibilidades de reprodução de áudio.

Recursos Extras

Além das características básicas, alguns amplificadores para discos de vinil também oferecem recursos extras que podem tornar o uso mais prático e divertido. Alguns desses recursos são:

  • Controle remoto: permite controlar o amplificador à distância, ajustando o volume, o tom, o balanço e outras funções.
  • Rádio FM: permite sintonizar estações de rádio e gravar programas favoritos.
  • Entrada USB: permite conectar um pendrive ou um HD externo e reproduzir arquivos de áudio em diversos formatos.
  • Equalizador gráfico: permite ajustar as frequências do som conforme o gênero musical ou a preferência pessoal.
  • Display LCD: permite visualizar informações sobre o estado do amplificador, o nível de volume, a fonte de áudio e outras informações.
  • Timer: permite programar o amplificador para ligar ou desligar em horários específicos.
  • Função sleep: permite definir um tempo para o amplificador desligar automaticamente após o uso.

Esses recursos extras podem agregar valor e funcionalidade ao amplificador, mas também podem encarecer o produto. Por isso, é preciso avaliar se eles são realmente necessários e se valem o investimento.

Custo-Benefício

O custo-benefício é a relação entre o preço e a qualidade do amplificador para discos de vinil. O custo-benefício depende de vários fatores, como a marca, o modelo, as especificações técnicas, os recursos extras e a garantia do produto.

Um amplificador para discos de vinil pode custar desde algumas centenas até alguns milhares de reais, dependendo desses fatores. Por isso, é importante pesquisar bem e comparar as opções disponíveis no mercado, levando em conta as suas necessidades e o seu orçamento.

Não se deixe levar apenas pelo preço ou pela aparência do amplificador. Busque informações sobre a reputação da marca, a qualidade do som, a compatibilidade com os seus equipamentos, a facilidade de uso e a assistência técnica.

Um bom amplificador para discos de vinil deve oferecer um som limpo, potente e equilibrado, sem ruídos ou distorções. Além disso, deve ter as conexões adequadas para o seu sistema de som, os recursos extras que você deseja e um preço justo pelo que oferece.

Ranking: Os 7 Melhores Amplificadores para Discos de Vinil em 2023

Agora que você já sabe como escolher o melhor amplificador para discos de vinil, vamos apresentar um ranking com os 7 melhores modelos disponíveis no mercado em 2023. Confira as características, as vantagens e as desvantagens de cada um e faça a sua escolha!

7º – Onkyo A-9110

O Onkyo A-9110 é um amplificador integrado que oferece um som rico e dinâmico, graças ao seu circuito WRAT (Wide Range Amplification Technology), que reduz as interferências e as distorções. Ele tem uma potência de 50 W por canal em 4 \u03A9 e uma impedância de 4 a 16 \u03A9.

Ele possui uma entrada phono para toca-discos com cápsula MM (Moving Magnet), além de quatro entradas de linha para outros aparelhos. Ele também tem uma saída para fone de ouvido e uma saída para subwoofer. Ele conta com um controle de tom (bass/treble) e um controle de balanço (L/R).

Ele tem um design simples e elegante, com um painel frontal em alumínio e botões giratórios. Ele tem um display LED que indica a fonte selecionada e o nível de volume. Ele vem com um controle remoto que permite ajustar as funções básicas do amplificador.

O Onkyo A-9110 é uma ótima opção para quem busca um amplificador integrado com uma boa qualidade sonora e uma boa relação custo-benefício. Ele custa cerca de R$ 2.000,00 e tem garantia de 1 ano.

Vantagens

  • Som rico e dinâmico
  • Entrada phono para toca-discos
  • Saída para subwoofer
  • Controle remoto

Desvantagens

  • Não tem conexões digitais ou sem fio
  • Não tem rádio FM ou entrada USB
  • Não tem equalizador gráfico ou display LCD

6º – Sony STR-DH190

O Sony STR-DH190 é um receptor estéreo que combina um amplificador integrado com um sintonizador de rádio FM. Ele tem uma potência de 100 W por canal em 8 \u03A9 e uma impedância de 6 a 16 \u03A9.

Ele possui uma entrada phono para toca-discos com cápsula MM (Moving Magnet), além de quatro entradas de linha para outros aparelhos. Ele também tem uma saída para fone de ouvido e duas saídas para caixas de som (A/B). Ele conta com um controle de tom (bass/treble) e um controle de balanço (L/R).

Ele tem um design moderno e compacto, com um painel frontal em plástico preto e botões ilumin

ados. Ele tem um display LCD que mostra as informações sobre o estado do receptor, a fonte selecionada, o nível de volume e a estação de rádio. Ele vem com um controle remoto que permite ajustar todas as funções do receptor.

Ele tem um diferencial que é a conexão Bluetooth, que permite parear o receptor com dispositivos móveis e reproduzir músicas de aplicativos de streaming ou de arquivos digitais. Ele também tem uma função chamada Standby automático, que desliga o receptor automaticamente após 20 minutos sem uso.

O Sony STR-DH190 é uma boa opção para quem busca um receptor estéreo com uma boa qualidade sonora e uma boa conectividade. Ele custa cerca de R$ 2.500,00 e tem garantia de 1 ano.

Vantagens

  • Som potente e equilibrado
  • Entrada phono para toca-discos
  • Conexão Bluetooth
  • Rádio FM
  • Controle remoto

Desvantagens

  • Não tem conexões digitais
  • Não tem saída para subwoofer
  • Não tem equalizador gráfico

5º – Yamaha R-N303

O Yamaha R-N303 é um receptor de rede que integra um amplificador integrado com um sintonizador de rádio FM e AM e um reprodutor de áudio em rede. Ele tem uma potência de 100 W por canal em 8 \u03A9 e uma impedância de 8 \u03A9.

Ele possui uma entrada phono para toca-discos com cápsula MM (Moving Magnet), além de quatro entradas de linha, uma entrada óptica e uma entrada coaxial para outros aparelhos. Ele também tem uma saída para fone de ouvido, uma saída para subwoofer e duas saídas para caixas de som (A/B). Ele conta com um controle de tom (bass/treble) e um controle de balanço (L/R).

Ele tem um design clássico e robusto, com um painel frontal em alumínio e botões giratórios. Ele tem um display LCD que mostra as informações sobre o estado do receptor, a fonte selecionada, o nível de volume e a estação de rádio. Ele vem com um controle remoto que permite ajustar todas as funções do receptor.

Ele tem vários diferenciais que são as conexões sem fio, que permitem conectar o receptor à internet via Wi-Fi ou Ethernet e reproduzir músicas de serviços de streaming como Spotify, Deezer, Tidal, Napster e outros. Ele também tem conexão Bluetooth, AirPlay e MusicCast, que permitem parear o receptor com dispositivos móveis e outros aparelhos compatíveis da Yamaha.

Ele também tem um aplicativo chamado Yamaha MusicCast Controller, que permite controlar o receptor pelo smartphone ou tablet, além de acessar conteúdos de rádios online, podcasts e arquivos digitais armazenados na rede doméstica.

O Yamaha R-N303 é uma ótima opção para quem busca um receptor de rede com uma excelente qualidade sonora e uma excelente conectividade. Ele custa cerca de R$ 3.000,00 e tem garantia de 1 ano.

Vantagens

  • Som excelente e versátil
  • Entrada phono para toca-discos
  • Conexões sem fio
  • Rádio FM e AM
  • Reprodutor de áudio em rede
  • Controle remoto
  • Aplicativo Yamaha MusicCast Controller

Desvantagens

  • Não tem equalizador gráfico
  • Não tem entrada USB

4º – Denon PMA-600NE

O Denon PMA-600NE é um amplificador integrado que oferece um som de alta fidelidade, graças ao seu circuito Advanced High Current (AHC), que garante uma corrente estável e potente. Ele tem uma potência de 70 W por canal em 4 \u03A9 e uma impedância de 4 a 16 \u03A9.

Ele possui uma entrada phono para toca-discos com cápsula MM (Moving Magnet), além de quatro entradas de linha, duas entradas ópticas e uma entrada coaxial para outros aparelhos. Ele também tem uma saída para fone de ouvido, uma saída para subwoofer e duas saídas para caixas de som (A/B). Ele conta com um controle de tom (bass/treble) e um controle de balanço (L/R).

Ele tem um design sofisticado e elegante, com um painel frontal em alumínio e botões giratórios. Ele tem um display LED que indica a fonte selecionada e o nível de volume. Ele vem com um controle remoto que permite ajustar todas as funções do amplificador.

Ele tem um diferencial que é a conexão Bluetooth, que permite parear o amplificador com dispositivos móveis e reproduzir músicas de aplicativos de streaming ou de arquivos digitais. Ele também tem uma função chamada Analog Mode, que desativa as entradas digitais e o circuito Bluetooth, para evitar interferências e melhorar a pureza do som analógico.

O Denon PMA-600NE é uma ótima opção para quem busca um amplificador integrado com um som de alta fidelidade e uma boa conectividade. Ele custa cerca de R$ 3.500,00 e tem garantia de 1 ano.

Vantagens

  • Som de alta fidelidade
  • Entrada phono para toca-discos
  • Conexão Bluetooth
  • Função Analog Mode
  • Controle remoto

Desvantagens

  • Não tem rádio FM ou entrada USB
  • Não tem equalizador gráfico ou display LCD

3º – Marantz PM5005

O Marantz PM5005 é um amplificador integrado que oferece um som de alta qualidade, graças ao seu circuito Current Feedback, que garante uma resposta rápida e precisa. Ele tem uma potência de 40 W por canal em 8 \u03A9 e uma impedância de 4 a 16 \u03A9.

Ele possui uma entrada phono para toca-discos com cápsula MM (Moving Magnet), além de cinco entradas de linha e uma entrada para gravador para outros aparelhos. Ele também tem uma saída para fone de ouvido, uma saída para subwoofer e duas saídas para caixas de som (A/B). Ele conta com um controle de tom (bass/treble) e um controle de balanço (L/R).

Ele tem um design elegante e refinado, com um painel frontal em metal e botões giratórios. Ele tem um display LED que indica a fonte selecionada e o nível de volume. Ele vem com um controle remoto que permite ajustar todas as funções do amplificador.

Ele tem um diferencial que é a função Source Direct, que permite reproduzir o sinal da fonte selecionada sem passar pelo controle de tom, para preservar a pureza do som original. Ele também tem uma função chamada Loudness, que reforça as frequências graves e agudas em volumes baixos, para melhorar a audibilidade.

O Marantz PM5005 é uma ótima opção para quem busca um amplificador integrado com um som de alta qualidade e um design sofisticado. Ele custa cerca de R$ 4.000,00 e tem garantia de 1 ano.

Vantagens

  • Som de alta qualidade
  • Entrada phono para toca-discos
  • Função Source Direct
  • Função Loudness
  • Controle remoto

Desvantagens

  • Não tem conexões digitais ou sem fio
  • Não tem rádio FM ou entrada USB
  • Não tem equalizador gráfico ou display LCD

2º – Cambridge Audio AXA35

O Cambridge Audio AXA35 é um amplificador integrado que oferece um som de alta performance, graças ao seu circuito toroidal, que garante uma entrega de energia limpa e estável. Ele tem uma potência de 35 W por canal em 8 \u03A9 e uma impedância de 4 a 8 \u03A9.

Ele possui uma entrada phono para toca-discos com cápsula MM (Moving Magnet), além de quatro entradas de linha e uma entrada para gravador para outros aparelhos. Ele também tem uma saída para fone de ouvido, uma saída para subwoofer e uma saída para caixas de som. Ele conta com um controle de tom (bass/treble) e um controle de balanço (L/R).

Ele tem um design minimalista e elegante, com um painel frontal em alumínio escovado e botões giratórios. Ele tem um display LCD que mostra as informações sobre o estado do amplificador, a fonte selecionada e o nível de volume. Ele vem com um controle remoto que permite ajustar todas as funções do amplificador.

Ele tem um diferencial que é a função Direct, que permite reproduzir o sinal da fonte selecionada sem passar pelo controle de tom, para preservar a pureza do som original. Ele também tem uma função chamada A+B Speaker, que permite ligar duas caixas de som por canal, em paralelo ou em série, para aumentar a potência ou a cobertura sonora.

O Cambridge Audio AXA35 é uma ótima opção para quem busca um amplificador integrado com um som de alta performance e um design minimalista. Ele custa cerca de R$ 4.500,00 e tem garantia de 1 ano.

Vantagens

  • Som de alta performance
  • Entrada phono para toca-discos
  • Função Direct
  • Função A+B Speaker
  • Controle remoto

Desvantagens

  • Não tem conexões digitais ou sem fio
  • Não tem rádio FM ou entrada USB
  • Não tem equalizador gráfico

1º – NAD C 316BEE V2

O NAD C 316BEE V2 é um amplificador integrado que oferece um som de excelente qualidade, graças ao seu circuito PowerDrive, que garante uma entrega de energia dinâmica e eficiente. Ele tem uma potência de 40 W por canal em 8 \u03A9 e uma impedância de 4 a 8 \u03A9.

Ele possui uma entrada phono para toca-discos com cápsula MM (Moving Magnet), além de seis entradas de linha e uma entrada para gravador para outros aparelhos. Ele também tem uma saída para fone de ouvido, uma saída para subwoofer e uma saída para caixas de som. Ele conta com um controle de tom (bass/treble) e um controle de balanço (L/R).

Ele tem um design discreto e robusto, com um painel frontal em metal preto e botões giratórios. Ele não tem display, mas tem LEDs que indicam a fonte selecionada e o nível de volume. Ele vem com um controle remoto que permite ajustar todas as funções do amplificador.

Ele tem vários diferenciais que são as funções Soft Clipping, Power Saving e Bass EQ. A função Soft Clipping evita distorções nos picos de volume, protegendo o amplificador e as caixas de som. A função Power Saving reduz o consumo de energia quando o amplificador não está em uso. A função Bass EQ reforça as frequências graves em volumes baixos, para melhorar a audibilidade.

O NAD C 316BEE V2 é a melhor opção para quem busca um amplificador integrado com um som de excelente qualidade e várias funções inteligentes. Ele custa cerca de R$ 5.000,00 e tem garantia de 1 ano.

Vantagens

  • Som de excelente qualidade
  • Entrada phono para toca-discos
  • Funções Soft Clipping, Power Saving e Bass EQ
  • Controle remoto

Desvantagens

  • Não tem conexões digitais ou sem fio
  • Não tem rádio FM ou entrada USB
  • Não tem equalizador gráfico ou display LCD

Conclusão

Neste artigo, você aprendeu como escolher o melhor amplificador para discos de vinil, levando em conta fatores como potência, impedância, conexões, recursos extras e custo-benefício. Você também conheceu um ranking com os 7 melhores amplificadores para discos de vinil em 2023, com marcas renomadas como Yamaha, Sony, Onkyo, Denon, Marantz, Cambridge Audio e NAD.

Esperamos que este artigo tenha sido útil e esclarecedor para você. Agora você está pronto para escolher o amplificador que mais se adapta às suas necessidades e ao seu orçamento. Lembre-se de verificar a compatibilidade entre o amplificador e os seus equipamentos, e de seguir as instruções de uso e manutenção do fabricante.

Se você gostou deste artigo, compartilhe com os seus amigos e deixe a sua opinião sincera e sugestões nos comentários. Obrigado pela sua atenção e até a próxima!

Amplificadores para Vinil
Amplificador para vinil